segunda-feira, 9 de julho de 2007

Civilização x Selvageria

No Globo de hoje, Miguel Conde dá notícias da Flip e menciona minha crítica ao comentário do governador Sérgio Cabral sobre a ação da polícia no Complexo do Alemão.
A coisa é assim: minha
participação em Paraty foi para comentar ontem, domingo, a novela “No coração das trevas” (1902), em homenagem aos 150 do nascimento de Joseph Conrad. Tentei mostrar que Conrad, escrevendo a respeito da pilhagem do Congo pelo rei Leopoldo II da Bélgica, ilustrava o esgotamento da idéia de “civilização” que até então servira de justificação ideológica à expansão colonial européia.
No final, citei a entrevista de Sérgio Cabral, em O Globo, do dia 1 de julho, sobre a guerra no Complexo do Alemão :”ninguém agüenta mais isso, temos uma bifurcação que eu enxergo clara: ou é o caminho civilizatório ou é o da selvageria”. Penso que se trata de um vocabulário de outros tempos, cunhado no contexto colonial para sujeitar nativos ameríndios, africanos ou asiáticos. Numa democracia, numa república, onde os cidadãos elegem seus representantes, nenhum governador, nenhum dirigente político pode se arvorar em condutor de qualquer “caminho civilizatório”.

P.S. – O laudo da OAB, divulgado dia 12/07, confirma a sinistra realidade: algumas das 19 pessoas mortas pela polícia no Complexo do Alemão foram executadas a sangue-frio.

9 comentários:

Irrevelâncias disse...

Selvageria é a ação do Estado no Complexo do Alemão. Mas li que a Flip foi menos política que nos anos anteriores e pareceu-me que o comentário ("menos política") era um elogio. Sinais dos tempos. Abs

Bruno D. disse...

Caro Luiz Felipe,

passo aqui para parabenizá-lo pela fala ontem na Flip, muito boa. Segue link para a cobertura do Portal Literal (http://portalliteral.terra.com.br/Literal/calandra.nsf/0/96571999ED07E2650325730C006B9EB3?opendocument&pub=T&proj=Literal&sec=Especial).

Abraços.

Tonico disse...

é tão bom ler esse blog, sabendo de quem é..e sabendo que aki não encontraremos nenhum tipo de afetação!!
Vou propagandiar ele por aí...
abracos!

Mauríco Moura Costa Guimarães disse...

Felipe, achei um pouco fora de contexto a ideía de civilização que você criticou do Sérgio Cabral em relação a criminalidade brasileira e a barbárie cometidas pelo processo de colonização.

Na Prática disse...

Não achei tão ofensivo o comentário do Cabral, não, acho que deu para entender o que ele quis dizer: se quiserem fazer uma interpretação generosa (bom, alguém pode querer), civilizar o Morro do Alemão é trazê-lo de volta à cidade.

Thiago disse...

O sentimento de superioridade e de "civilizaçao" do governador carioca não apenas é uma "herança" do racionalismo europeu colonialista como ela violentamente atenta contra a população negra, herdeira dos Africanos colonizados e escravizados. Esses pobres (de maioria negros) continuam sendo massacrados pelo desdem e sentimento de superioridade da elite política e economica branca que descende de europeus.
Parabens pelo comentário e pelo Blog.Um abraço!

Anônimo disse...

Assisti a sua palestra na FLIP. Parabéns. Que tal disponibilizar no blog o texto preparado para Paraty?

luiz felipe de alencastro disse...

O anônimo acima e Carlos, que mandou um comentàrio para o post "coisas do balacobaco", sugerem que eu publique aqui o texto sobre o Conrad lido em Paraty. Farei isso mais adiante porque pretendo alinhavar o texto e agora estou meio de férias pelo Brasil afora. em todo o caso, obrigado pela atenção.

Deco Duarte disse...

Oi, professor.
Assisti à sua exposição na FLIP e não parei de pensar nas relações entre a obra de Conrad e "Equador", de Miguel Sousa Tavares. Conhece?