sexta-feira, 16 de fevereiro de 2007

Marx, a França e a Costa Rica


A propósito dos problemas gerados pela ofensiva do grande capital contra Ségolène Royal, vale lembrar a reflexão que ouvi de um sociólogo costa-riquenho, anos atrás no Cebrap:
“Pior do que ser explorado pelo capitalismo, é não ser explorado pelo capitalismo!”.
Trata-se de uma idéia marxista que vale para a França, para o Brasil, para Moçambique, para a Costa Rica e para Cuba, como parece estar descobrindo o grande irmão Raul Castro.

5 comentários:

Anônimo disse...

Será que o grande irmão vai querer crianças de 6 anos arrastadas pelas ruas?

Na Prática disse...

Professor Alencastro,

Se não me engano, o Getúlio também já tinha dito algo como "o verdadeiro imperialismo é a recusa de investir nos países subdesenvolvidos", ou algo assim. Vendo seu post me lembrei de "Império", do Hardt e Negri (e, consequentemente, da sociedade de controle do Deleuze).

Anônimo disse...

Imagino que o senhor esteja se referindo a superioridade civilizatoria do trabalho livre em relação ao trabalho escravo...

Leonardo Monasterio disse...

Caro LFA,

Até onde sei, essa frase é atribuída a economista inglesa Joan Robinson.
Abracos,
Leonardo.

Borromini disse...

Exato, Joan Robinson.

"Pior do que ser colonizado, é não ser colonizado".

Tem em algum livro do Merquior... hehe.