terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Sífilis, Colombo e a aids

Carlos Schwabe (1877-1927), A morte do coveiro, Musée d'Orsay, Paris.

O Estadão, o Monde, o New York Times, entre outros, deram hoje a notícia de um estudo publicado numa revista especializada, por uma equipe de cientistas ingleses, americanos e canadenses, indicando que a sífilis foi trazida da América para a Europa pelos marinheiros dos navios de Cristovão Colombo. O fato apenas confirma a tése de muitos historiadores. Há 25 anos, ouvi um debate entre Philippe Ariès e Michel Vovelle em que os dois grandes mestres da história da morte no Ocidente davam esta informação com um dado estético avançado por Vovelle : depois da chegada da sífilis na Europa, no final do século XV, a morte deixou de ser representada somente por esqueletos humanos com uma foice e passou a ser também pintada sob a forma de uma mulher nua, diáfana : representação evidente da convergência entre sexo e perecimento (como muita gente representa agora a aids). Quando estava preparando o meu livro « O Trato dos Viventes » lembrei-me dos dois mestres, fui procurar mais historiografia especializada e redigi este parágrafo no capítulo 4 :

“Tudo indica que a sífilis se disseminou mundo afora a partir da América Central, no repique de uma mutação genética da bactéria Treponema pallidum.( C. C. Dennie, A history of syphillis; J.-C. Sournia, Histoire et médicine, pp. 167-70; F. Guerra, “The dispute over syphillis: Europe versus America”, Clio Medica, 1978, vol. 13, pp. 39-61). Fenômeno parecido deu-se com a bouba ou piã, enfermidade transmitida pelo Treponema pertenue, de sintomas semelhantes aos da sífilis e com ela freqüentemente confundida (Léry cita o piã como "a moléstia mais perigosa do Brasil", Narrative d'un voyage fait à la Terre du Brésil, trad. bras. Viagem à Terra do Brasil, pp. 245-6. L. Santos Filho, História geral da medicina brasileira, vol. i, pp. 185-8; Doc. de 1513 descreve o piã em Cabo Verde, onde provocava até lesões nos ossos, MMA², ii, p. 59, n. 1. No litoral de Angola, a doença se tornou endêmica no século xvii)".

Se tivesse de refazer tudo e tivesse agora 15 anos, iria estudar biociências, a disciplina mais fascinante da atualidade.

11 comentários:

Anônimo disse...

A própria origem da palavra sífilis nos remete à América. Colo aqui a etimologia do termo dada pelo dicionário Houaiss:

"lat.cien. Syphilis, de Syphilus, herói do poema latino intitulado Syphilis sive morbus gallicus ('Sífilis ou o mal gálico'), escrito, em 1530, por Girolamo Fracastoro (1483-1553, médico, poeta e astrônomo veronês); Syphilus é, no poema, um pastor da América que, tendo aliciado o povo de Ofisa a deixar de cultuar o deus Sol, foi castigado com a doença; o nome do personagem foi inspirado em Syphilus, personagem de Ovídio Metamorfoses, VI,23; alguns manuscritos de Ovídio trazem o nome do jovem pastor grafado Syphilis, donde Francastoro teria tirado Syphilis"

Anônimo disse...

QUERIDO LUIZ FELIPE ,NÃO É POR SER ESPECIALISTA EM UM TEMA QUE NÃO PODEMOS ENTRAR PARA OUTRO, ALÉM DE BOM É BASTANTE LEGAL A ABERTURA EM QUE SE DÁ NA MENTE ENTRE AS CORRELAÇÕES ,QUE NO FIM ACABAM POR CHEGAR QUASE QUE AO MESMO LUGAS,ENTÃO MÃOS À OBRA E ENTRE PARA O MUND BIOCIENTÍFICO!

João Sebastião Bar disse...

Caro Prof. Alencastro,

Antes de fazer meu comentário gostaria de dizer que aprecio as suas leituras e os comentários do “Felipe pelo Mundo”, mas devo confessar que vejo um certo olhar Anglo-Saxão nesta suas ultimas falas, eles quando vem para as terras Latinas são ‘investidores”, desbravadores (os bandeirantes Paulistas) e nos somos invasores, desqualificados, pobres e doentes, o "Bárbaros" Latinos e do terceiro mundo em geral, os “cucarachas”, ver artigo no site do Azenha: http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/leider-sobre-quisling-e-os-barbaros/
No seu artigo de 3/12/07, TV Brasil você comentou : “Jacques Attali também estava no encontro e foi brilhante. Disse uma coisa que me impressionou (estávamos em 1980!): as grandes cidades da América Latina e da África – México, São Paulo, Lagos - vão escapar ao contrôle das autoridades públicas e virar amplos espaços urbanos de não-Direito”.
O que ja era uma verdade no Brasil de 1980, mas ainda assim bem observado, porem ele previu algo sobre a situação dos excluídos na França e na Europa em geral de hoje ?
Ou o que pensa da exportação de seres humanos europeus do século XIX e inicio do XX?
E sobre o que a Europa fez com a Africa?

A Revista citada no seu artigo, que fui olhar diz na parte: Abstract Background
Some researchers have argued that the syphilis-causing bacterium, or its progenitor, was brought from the New World to Europe by Christopher Columbus and his men, while others maintain that the treponematoses, including syphilis, have a much longer history on the European continent.

A sua pesquisa diz: ““Tudo indica que a sífilis se disseminou mundo afora a partir da América Central, no repique de uma mutação genética da bactéria,...”,

Eu digo-lhe, acho que para mim tudo indica que vossa excelência esta com um olhar muito Anglo-Saxão, Não estaria precisando de um pouco de sol praia e carnaval?
Abraços,
João Sebastião Bar

Luiz Felipe de Alencastro disse...

Caro João Sebastião Bar

Obrigado por ter escrito e pela referência amável aos meus comentários no UOLNews.
Quanto às suas críticas, creio que há um mal-entendido que vou tentar esclarecer em poucas linhas.
a)nunca me referi ao sentimento dos « investidores » (que não fazem parte de minha seara ou de de minha competência) ou a « bárbaros » e « cucarachas » de nenhuma nacionalidade. Quanto aos bandeirantes, nunca pensei que fôssem « desbravadores » e escrevi a respeito no meu livro « O Trato dos Viventes » (capítulos 6 e 7)
b)Attali, na conversa de 1980, tocou num ponto que, para mim e para Arraes, pareceu surpreendente. Mas, com o tempo revelou-se ser premonitório do que está acontecendo agora no Rio, em São Paulo e nas outras megalópole citadas : o aumento avassalador da criminalidade e a perda da autoridade pública sobre porções inteiras destas capitais.
c)Sobre a sífilis, você citou o pano de fundo, o "background", da polêmica. Se vc tivesse lido mais abaixo no abstract, no resultado da pesquisa resumido no tópico "Conclusions/Significance", está escrito : « Our results lend support to the Columbian theory of syphilis's origin while suggesting that the non-sexually transmitted subspecies arose earlier in the Old World. This study represents the first attempt to address the problem of the origin of syphilis using molecular genetics, as well as the first source of information regarding the genetic make-up of non-venereal strains from the Western hemisphere ». Ou seja: a sífilis veio da América. É o que está dito nas reportagens anexas ao meu post. E foi o que eu escrevi no meu livro em 2000.
Abraços
lf


P.S. - Tenho ido sempre ao Brasil e aproveitado as praias.

luiz felipe de alencastro disse...

Caro Anônimo que citou o Houaiss.
Vc tem razão.Havia esta evidência literària desde 1530. Mas as pesquisas dos historiadores que citei envolvem dados mais completos e mais atuais.
abraços
lf

luiz felipe de alencastro disse...

Ao anônimo ou anônima que me aconselha a enfrentar as biocências.

Muito obrigado pelo comentàrio afetuoso. Tenho ainda dois livros de história do brasil para completar. quero chegar até no Brasil de JK. depois vejo se dà tempo ainda de virar biocentista!
abraços
lf

João Sebastião Bar disse...

Caro Prof. Alencastro,

Agradeço pela cordial resposta.
Tenho que admitir que não li a parte (abstract/"Conclusions/Significance) e que também não sou um especialista no assunto.
Mas continuo cá com meus botões, as conclusões deles será somente coincidência com os preconceitos da história, como, por exemplo, a família real e os nobres no Brasil colônia imperial, que no verão subiam a serra para não se contaminar das moléstias dos pobres e plebeus na praia, ou serão eles, os europeus, hoje honestos por inteiros?
O condicional do “Tudo indica" do artigo agora virou certeza imperativo: "a sífilis veio da América".
Por ora ficarei com a outra parte, pois a ciencia também erra.
“a while others maintain that the treponematoses, including syphilis, have a much longer history on the European continent”.
Sds,
JSB

João Sebastião Bar disse...

Caro Prof. Alencastro,

Coloquei esse post primeiro no blog do Nassif sobre o artigo do Andrés Oppenheimer no jornal Herold Miami, como disse o Ministro Celso Amorim anos atras:"Não é qualquer jornalzinho", mas serve também para a visão e olhar Anglo-Saxão de hoje, como dos Romanos de ontem:

Assisti esse fim de semana o documentário da BBC/2006 : Barbarians, apresentado por Terry Jones, 2 dvd.
O doc apresenta a riqueza da cultura dos Celtas que não se sabia até então, recente descoberta da arqueologia e que se pensava que era do Império Romano, mas foi absorvido por esses e depois massacrado o povo Celta e os Romanos escreveram a história chamando-os de bárbaros e vem a pergunta: Quem são os bárbaros?
O Doc. apresenta a riqueza da cultura da região da pérsia absorvida pelos Romanos e depois massacrada pelo Império e taxados de bárbaros, e a pergunta: Quem são os bárbaros?
O Doc. apresenta a riqueza da cultura da Grécia e outras que também foi absorvida pelos Romanos e também massacrado o povo da região e a pergunta: Quem são os bárbaros?
Agumas semelhança hoje?

Ano passado na newyorker, 27/08/07: The Humam Bomb, mas que fiz 'minha" tradução: "Dor de cotovelo e começo de consciência do deblâque do Império", em que ele diz: “Agora, pela primeira vez, é possível se imaginar que “modernização” é alguma coisa independente de americanização. "Quando as famílias em Paris conversam sobre as ambições dos filhos ir estudar fora do pais, eles estão falando sobre Londres”. (e vai chorando as pitangas em 4 pag.)
O desenvto de tecnologia da PTBR em água profundas de 500 metros nos anos 70/80’s (era 100m), e a recente descoberta de petróleo na faixa pré-sal esta sendo uma mudança de paradigma para a questão peak oil mundial e um ‘repensar as guerras" em geral.
Quais são os créditos do Brasil?
Sds,
JSB
P.S., Pegunta: O que pensa sobre a polêmica do livro The River e a tese do biólogo inglês Bill Hamilton, que disse na CNN inglesa ter 95% de chance de ser provada, e morreu de malaria tentando provar a sua hipótese na Africa?

Zera Yacob disse...

o que o Professor precisa é de férias do Sarkozy ! Caro João Sebastião Bar, em relação a sua pergunta sobre o novo paradigma do petróleo, acho que a bonança brasileire terá efeitos exclusivente internos. O que não impede a emergência de um atlântico sul (sic) de países produtores de petróleo, em particular com Angola. A responsabilidade do Brasil é apresentar um modelo víavel e democrático de desenvolvimento das suas matérias primas, capaz de inspirar os outros países produtores do hemisfério sul.
Respeituosamente,

João Sebastião Bar disse...

Caro Zera Yacob,
A bonança brasileira terá efeitos exclusivamente internos nesse primeiro momento, porque assim como o mundo nos copiou após a Petrobrás desenvolver a tecnologia em águas profundas, eles o farão agora também desenvolvendo tecnologia para atingir o pré-sal, por isso minha colocação, que isso é ou pode se tornar uma mudança de paradigma no peak do petróleo mundial, porque o primeiro passo, a nova fronteira (The New Frontier como dizem os gringos) já foi dado novamente pelo Brasil, via Petrobrás.
Concordo com você sobre a união Atlântico Sul, mas primeiro precisamos arrumar a “casa”, ou melhor, a união Latina do Sul, ou “UNISUR”, ou “ALCSA”, ou seja, o nome talvez não seja tão importante quanto à idéia, justamente o que não querem os “globais” do PIG do Brasil e Latinos, são os “COLONISTAS” (copyright PHA).
Como o ultimo dos "coronéis", o Sarney ja deixou claro que fará o possível para Chaves ficar de fora do MERCOSUL, Veremos o que o "conservador" do governo Lula fará, ou ira engolir mais uma derrota no senado, que será pior do que a da CPMF, porque envolve uma visão de desenvolvimento e a inserção do Brasil no mundo, o que sonhou tantos brasileiros como escreveu Celso Furtado nos anos 50, do rearranjo de forças no mundo pós-segunda guerra, o que ocorre novamente nesse inicio de século, será um atraso de no mínimo mais algumas décadas, mas por ora e para nossa geração será um solene enterro, mas claro, para os globais “colonistas” daqui, juntos com o tio sam e os europeus sera uma vitória e irão comemorar.
Sds,
JSB

João Sebastião Bar disse...

Caro Prof. Alencastro,

Na Folha de 29 de março de 2008:
Música gravada em 1860 volta a ser tocada nos EUA
Cientistas recuperam gravação feita por francês 17 anos antes de Thomas Edison

Trecho de 10 segundos de canção folclórica registrado com aparelho anterior ao fonógrafo foi recuperado com tecnologia digital


NYT: Researchers Play Tune Recorded Before Edison
By JODY ROSEN
Published: March 27, 2008

Se pesquisar um pouco mais descobrirão tambem que o Wright Brother não foram os primeiros (sic.)

Assim como essa conclusão da "ciência" de Sífilis das Americas, fica dificil de aceitar.
Sds,
JSB