domingo, 31 de dezembro de 2006

Sobre o Populismo


No seu discurso de posse, Lula declarou: "Nosso governo nunca foi nem é populista. Este governo foi, é e será popular". No caderno Aliás, do Estadão de domingo, onde há vários textos sobre os fatos mais marcantes de 2006, saiu um artigo meu sobre o retorno do populismo na política atual.
No fim do artigo, cujo título foi dado pela redação, comento brevemente dois livros importantes sobre o assunto que foram publicados na Inglaterra.
O primeiro é o volume organizado pelo uruguaio Francisco Panizza, professor da London School of Economics, Populism and the Mirror of Democracy, Londres, Verso, 2005.
O segundo, escrito pelo argentino Ernesto Laclau, professor na Universidade de Essex, chama-se On Populism Reason (Londres, Verso, 2005, tradução argentina: La razón populista, Fondo de Cultura Económica, Buenos Aires, 2005).

Um comentário:

Carlinhos Medeiros disse...

Salve 2007, professor.

Lí o seu artigo.
No Brasil os políticos adotaram uma diferença entre governo populista e popular. Em seu dicurso de posse, o Presidente Lula afirmou que seu Governo é popular e não populista, como dizem seus desafetos. Acredito que pensam que populismo é popularidade demagógica, tipo: sentar à mesa com pobres, pegar criancinhas no colo e beijá-las; não beber vinho importado e não comer caviar. E popular, é um governo voltado à políticas públicas que contemplem as camadas sociais menos favorecidas e/ou com a participação popular.
Penso que tanto o Chavez quanto o Lula, praticam uma política populista demagógica, mas, fazer o que, né? Mas vale um demagogo de esquerda no Governo do que dois de direita "voando".